“Deixe a natureza trabalhar para você” : Colher tomates em casa é fácil

Imagem: Uróboro, simbolo ancestral

“Se o seu sistema está te dando muito trabalho, você ainda não pensou o suficiente.”, diz Scott Pittman, um instrutor de permacultura.

Por sistema entende-se todo processo dinâmico de gerenciamento de recursos, como a nossa própria casa e até mesmo a nossa própria vida, com as necessidades, resíduos e energia que geramos. 

A ideia de que temos que trabalhar duro, fazer muito esforço para conseguir algo, nos é incutida desde a família e a escola. Mas, depois de passar um tempo praticando permacultura, uma outra ideia vai se delineando: ninguém precisa sofrer para conseguir nada. Na natureza, não é assim que funciona e, se somos seres naturais, podemos viver assim também.

Retroalimentação – Padrão natural

Um dos princípios que mais chama atenção na permacultura é o da criação de sistemas resilientes (resistentes), que geram a própria energia de que necessitam localmente. Isso significa, por exemplo, não depender de recursos externos, trabalhar com recursos locais, começar agora, fazer com o que se tem na mão.

Numa floresta, é assim: tudo se retroalimenta. As folhas que caem geram terra e cobertura para alimentar as sementes, além de proteger o solo da perda de nutrientes pela ação da chuva, do vento e do Sol . Observando a natureza, o homem pode fazer o mesmo.

 Ou seja, trabalhe pouco e melhor. Pense, crie sistemas mais independentes.

É preciso que os processos sejam auto-regulados, que o resíduo se torne matéria-prima e de novo alimente o sistema.

Autorregulação

Quando passamos mais de 2 meses autossuficientes na produção de tomates, começamos a entender essa ideia. As sementes de tomate vieram de nosso próprio lixo orgânico e a terra onde ele nasceu foi terra de nosso composto. A compostagem doméstica reduz em 60% o volume de lixo que é colocado para o sistema público de coleta. Uma economia e tanto de dinheiro para as Prefeituras. É também a partir do material gerado pelo seu próprio lixo orgânico que vão começar a nascer seus pés de tomate e outros alimentos.

Repetindo: a grande mudança que necessitamos fazer é de consumo, para a produção, mesmo que em pequena escala, em nossos próprios quintais. Se 10% de nós fizessem isso, haveria o suficiente para todos. Assim, vê-se a futilidade dos revolucionários que não tem jardins, que dependem do próprio sistema que atacam, que produzem palavras e balas, e não alimento e abrigo.” (Bill Mollison)

Veja o video:

Participe da Grande Virada! Clique aqui e VEM COM A GENTE!

5 Comentários


  1. Olá! Parabéns pela divulgação dos conhecimentos de permacultura. Puxa, eu fiquei tão feliz em descobrir vocês! Eu tenho um pequeno sítio e possuo mt dificuldade em adotar mecanismos auto-sustentáveis de cuidados com o solo e plantações de hortas, etc. Amei as dicas sobre o cultivo de tomates. Como vocês fizeram essa armação de sustenção dos galhos dos tomateiros?

    Responder

    1. Ei Ana Paula,

      que bom foi ler seu comentário também!!
      Essa armação dos tomateiros foi feita com bambu, mas pode ser qualquer pau que você tenha.
      Você finca a vara no chão e com pedacinhos de pano ou de barbante vai amarrando o galho principal e direcionando o seu crescimento.
      Para quem cultiva muitos tomates a prática mais comum é pendurar uma vara (como se fosse um varal de roupas) e amarrar o galho principal por meio de barbantes.
      O importante é segurar o tomate no alto e não deixá-lo ficar arrastando no chão.
      Vou ver aqui a possibilidade de fazermos um video sobre isso.
      Abraço e obrigada!

      Responder

  2. Parabéns pelo vídeo….. motivador!!! vou fazer!!! meu empecilho são as formigas!!!

    Responder

    1. Oi Elziane, em breve vamos soltar um video sobre as formigas!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *