Vivendo com baixa tensão (12 volts)

“Quanto menor a necessidade, maior a liberdade.”

(E. Hiroshi)

Tudo começou porque o lugar era bonito e “virgem”. Sair colocando coisas humanas e barulhentas – postes, fios, luzes- não combinava muito bem.

Ligamos celular, toca mp3 e computador em conversores, mas não precisamos usar um inversor para 110 volts mais. Apenas 12v a 19v é suficiente.
Ligamos celular, toca mp3 e computador em conversores, mas não precisamos usar um inversor para 110 volts mais. Apenas 12v a 19v é suficiente.

E lá fomos nós, uma família de 4 pessoas, para nosso espaço dos sonhos, sítio e campo de experimentos em permacultura ou, como preferimos chamar, nosso LARboratório. O propósito de criar um Jardim do Éden parecia combinar bem com energias livres e alternativas, pesquisa que começamos então a desenvolver.

Convencendo a família

Deu um pouco de trabalho convencer meu filho de 8 anos a abrir mão do sonho do Xbox (Pelo menos por um tempo.)

O fato é que eu acho que ter eletricidade em casa dá muito mais trabalho que facilidade. Tudo depende do referencial. É uma questão de prioridades. Pra mim, o mais importante é a saúde e harmonia da minha família. Com a energia elétrica em casa, e, portanto, computador, jogos, Facebook e outros entretenimentos, sobrava pouco tempo pra gente estar realmente juntos e desfrutar da companhia uns dos outros/as.

Hoje, anoitece lá em casa e a gente deita na rede para ver as estrelas e fica conversando por horas. Também cozinhamos juntos, ouvimos rádio, sons da natureza, e ficamos muito mais unidos/as.

 

Soluções: vivendo com 12v 

O projeto de turbina eólica domiciliar está de pé. Ela está guardada, esperando o pessoal da Ong I love Wind Power, que vai nos ajudar a instalar.

Mas, o que tem mudado nossa rotina mesmo são pequenas soluções, como uma placa solar de baixa potência. (Sim, sabemos, todos os tipos de energia são de alguma forma insustentáveis. As placas fotovoltaicas, por exemplo, consomem grande quantidade de combustível fóssil –petróleo- em sua produção, talvez mais do que ela seja capaz de gerar depois em toda sua vida útil. Mas, penso eu, precisamos começar de algum lugar, fazendo a transição para um novo modelo, sendo a diferença, e a insustentabilidade de grandes hidrelétricas e sistemas de energia centralizados também é de dar arrepios.

Os mutirões do LARboratório
Os mutirões do LARboratório

A placa é bem pequena e, por isso, o sistema é mais barato. Não temos geladeira, máquina de lavar… Nossa necessidade de luz se resume da casa, suficiente para as atividades da noite e os aparelhos eletrônicos de comunicação.

A maioria dos computadores funciona a 19v, ou seja, não precisamos de 127v ou 220v, que é a tensão habitual no Brasil, para fazê-los funcionar. Com um adaptador caseiro, é possível ligá-lo na saída USB do inversor e… sim! A bateria de carro, que está conectada à placa solar, é suficiente para carregá-los.

E é assim que eu e Peter temos aplicado os conceitos de Holmgren e da permacultura no que se refere a viver com baixa energia!

Depois de um tempo fui descobrindo um mundo de possibilidades para quem quer viver a 12v ou 24v. Basta procurar os equipamentos náuticos e de caminhoneiros. Ou seja, tem geladeira 12v, televisão com antena digital 12v, minijuicer 12v e outras possibilidades.

Uma coisa que comecei a perceber somente depois de começar a viver assim é que a eletricidade altera bastante o nosso próprio campo de energia. Sempre que vou à cidade e a lugares super iluminados ou cheios de aparelhos eletro-eletrônicos e redes wifi, sinto que fico mais cansada e alterada, mais distante do meu equilíbrio natural.

Liquidificador Manual
Liquidificador Manual

Ah! Temos um liquidificador manual!

E somos bem felizes!

1 Comentário


  1. Achei esse artigo muito interessante….
    Tenho interesse de diminuir minha dependência à eletricidade…
    Gostaria de morar de forma a gastar menos água e energia, assim diminuir o impacto ambiental e economizar nas contas também….
    Nota dez pela iniciativa….

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *