Comunicação não-violenta e metodologias participativas: diálogo com comunidades

De Paulo Freire, sempre atual, aprendemos um jeito de lidar com as comunidades nas quais nos inserimos. A permacultura  trata de produzir sistemas sustentáveis, e ninguém pode produzir um sistema completo sozinho, fechado em sua casa.

Daí a necessidade de o permacultor interagir com seu entorno e daí a inspiração de Paulo Freire. Não adianta fazer como fazem os programas de responsabilidade social das empresas: trazer projetos prontos, falar o que deve ser feito para que os outros evoluam.

É necessário um processo de auto-reflexão, que só se consegue quanto TUDO, do planejamento ao processo, é construído participativamente, respeitando o tempo de cada grupo.

Algumas coisas que a gente já fez nas comunidades aonde moramos podem dar um exemplo de uma maneira permacultural de trabalhar com pessoas 

IMG_0322-768x576

permacultura social, abrange desde a comunicação não-violenta, metodologia criada por Marshall Rosenberg até o incentivo ao consumo local e à organização comunitária para a economia solidária. Lá em Moeda, procurávamos comprar dos(as) agricultores(as) locais, e assim podíamos garantir melhor a origem do nosso alimento, se havia respeito a Terra, valorizando o homem do campo e a saúde das pessoas. Convidávamos a comunidade para nossos cursos e mutirões, e vivíamos  bem próximo a eles. Foi uma experiência antropológica, muito transformadora. Fazer projeto COM a comunidade, vivendo lá, era bem diferente de fazer PARA.

Na foto, o Senhor Odair, nosso ilustre parceiro, já participou de nossos cursos e nos está sempre ensinando sobre a relação com a terra.

 

 

 

 

Depois de um curso de beneficiamento de plantas medicinais com o prof. Marcos Guião, criamos junto com a comunidade um grupo de resgate da tradição da medicina popular. A proposta era que as pessoas conhecessem o próprio corpo e os cuidados com a própria saúde incluindo a melhoria da alimentação e o uso de plantas. O grupo chegou a produzir sabonetes. Afinal, a região tem muitos anciões conhecedores das raízes que curam. Aliás Moeda era conhecida por uma antiga garrafada que era levada a Belo Horizonte para curar todo tipo de males: o arrobe. Foi lá também que várias fórmulas de xampu foram desenvolvidas, incluindo a de Seu Vicentino de Moeda, para cura da queda de cabelo.

As recreações eram outro ponto forte da atuação do Núcleo Moeda junto à comunidade: momentos para resgatar as brincadeiras tradicionais, a infância pura e simples, e também para trabalhar a educação ambiental com peças teatrais e brincadeiras ecológicas.

Roda durante recreação

Quer participar da Grande Virada? Clique aqui e VEM COM A GENTE!

3 Comentários


  1. A proposta de vocês é muito boa. A natureza pede socorro e vocês estão se empenhando para socorrê-la. No entanto, é primordial que o trabalho de vocês seja divulgado e aceito por todas as pessoas que lidam com a terra, para que haja uma mudança de hábitos a nível global. E isso tem que ser feito com extrema urgência porque o planeta está agonizando! Estou na torcida a favor do sucesso. Boa sorte pra vocês significa boa sorte pra todos nós. E o planeta agradece.

    Responder

  2. Preciso saber mais sobre isso quero praticar na minha nova comunidade Balneário Água Limpa em Nova Lima MG

    Responder

Deixe uma resposta para Deise Santos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *